Nicota Bayeux Benaim

Publicado 09/07/2014 por lcs2308

 Nasceu em 26 de janeiro de 1877. Filha do Coronel Bento Bayeux (20.08. 1846+ 20.09.1905) e de Izabel Oliveira da Cruz Bayex (+ 1912, em Paris).

 Tinha como irmãos: José Theodoro, casado com  Maria Apparecida Camargo; Anna; Bento (Bentoca) B. Júnior; Homero, casado com Amélia Carvalho Dias da Silva; Eponina (Nina) B. Franco de Andrade, casada com João Franco de Andrade; Adine B. Mosel, casada com Carlos Von Mosel; Lady, casada com Júlio Starace; João Baptista, falecido em 1909, casado com Marietta Rêgo Freitas; Rossi;

 Nicota, fez o que a a maioria das moças com aptidão para artes queria naquela época: estudou em Paris. Aluna do pintor Carlo de Servi, viajou para a Paris, estudando na Académie Julian,  foi aluna de Tomy Fleury e Jean Paul Laurens. De volta ao Rio de Janeiro, em 1914, no início da Primeira Guerra Mundial, fez exposições de sucesso, e sua obra Coeur Meurtri foi bastante elogiada.

Em Campinas, pintou várias telas, como o retrato do industrial italiano Roque de Marco, exposto na Casa Alemã em 1913. Deixou, entre outras pinturas, a notável Dominó Rose, com nítida predominância de cores e que hoje está na galeria do CCLA.

Casou-se com Edouard Benaim, falecido em agosto de 1953, aos 68 anos.

Faleceu em 22 de agosto de  1923. “Aos vinte e dois de agosto de mil novecentos e vinte e trez, sepultou-se na rua trinta e cinco, sepultura número dezenove o cadáver de Nicota Bayeux Benaim, casada com Eduardo Benaim, com quarenta e seis anos de idade, natural de Campinas, pintora, filha legítima de Bento Bayeux e de Dona Izabel de Oliveira Cruz fallecida hoje as seis hora e trinta minutos, em o prédio número quinze da Praça Floriano Peixoto em Campinas, victima de “edema pulmonar consecutivo a nephrite aguda” conforma attestado do Doutor Clemente de Taffoli. É o que certificou o official de registro civil do distrito de Conceição de Campinas, Floriano Penteado.”

Em 1927, amigos e admiradores organizaram no Clube Campineiro uma exposição póstuma de suas obras. Segundo o crítico Luís de Paula, “constitui um cartão de apresentação aos maiores centros de arte, e um título que atesta a envergadura crítica da autora” (Revista do Centro de Ciências, Letras e Artes, setembro de 1913).

   

Nicota

Nicota. Acervo Washington Marcondes Ferreira Neto

 

2508memroavelnicotabayeux-1013057

Nicota

 

 

 

Fontes:

Pinacoteca de São Paulo;

Pintores paisagistas: São Paulo, 1890 a 1920, Ruth Sprung Tarasantchi;

Coluna Memorável, Janete Trevisani.

Anúncios

3 comentários em “Nicota Bayeux Benaim

  • Deixe um comentário

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logotipo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

    Foto do Google+

    Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

    Conectando a %s

    %d blogueiros gostam disto: