Dois paladinos de 19

Publicado 20/11/2015 por lcs2308


O
swaldo Urban

Na década de 50 do século findo, exercia em Amparo o cargo de inspetor regional do ensino, quando conheci um jovem professor que aportara na cidade para reger a cadeira de pedagogia na Escola Normal. Moço que pela postura de mestre e ampla cultura desde logo granjeou o respeito da população. Comportamento sóbrio, competente, douto na disciplina de que era titular e discreto na conduta, nunca estadeou o conhecimento paralelo que possuía em larga escala sobre música e muito menos o pleno domínio da batuta que exercitava com maestria. Discrição de “gentleman” a respeitar a coisa constituída, visto que o educandário já possuía na matéria uma professora titular de canto orfeônico. Uma questão de respeito à competência alheia que só os espíritos nobres sabem cultivar. Logo depois, entanto, na senda do magistério, volveu a Campinas para lecionar psicologia e filosofia da educação na Escola Normal “Carlos Gomes” . Contudo, tamanha obrigação não lhe impediu de perseverar na vocação que trazia do berço – a música. Estava assim posto em trabalho, ensinando psicologia, quando circunstância eventual o coloca na regência do organismo musical que daí por diante seria a razão de sua vida – Coral Pio XI – um orfeão que já era e continua a ser uma oferenda de alegria e paz, canto votivo de vozes masculinas ecoando a Deus. E fixou-se ali, na regência, a mais emocionante das atividades desenvolvidas, aquela que lhe fala à existência e segreda ao coração – instrumento de querença, batuta de afeto que se agita em busca da grandeza da vida. Nessa empreita, revela-se Urban, um homem que além do Coral sabe dirigir o próprio viver. E essa sabedoria se reflete no decreto municipal nº 13.301 de 1999 que assim dispõe: – “Art. 1º – Fica oficializado o ‘hino do idoso’ no município de Campinas.” – Art.; 2º – O hino do Idoso foi escolhido por meio de concurso público, resultando sua premiação de uma avaliação realizada por uma comissão oficialmente constituída sagrando-se vencedor o Maestro Oswaldo Urban, com a letra e música constantes dos anexos” . É dessa ordenação oficial que retiro os versos que, na sua singeleza, são uma manifestação imensa de sabedoria – “É tão gostoso envelhecer sorrindo / Ser bom exemplo de honradez e de virtude / Já ser idoso, velhice não sentindo / Este é o segredo da perene juventude” – Conselho de um homem sábio que na luta da existência aprendeu a edificação da vida.

Rosalvo Madeira Cardoso

Ser admitido ao vestibular de curso superior, sem jamais ter frequentado antes uma escola secundária regular? Hipótese difícil na primeira metade do século passado, quando as exigências para matrícula eram rígidas. Mas o quase impossível aconteceu. E o personagem central do episódio foi um mineirinho nascido em Rio Pomba a 18 de dezembro de 1919. Sonhador e irrequieto, ainda na adolescência, deixou a terra natal e gastou sola para conhecer o mundo. Andou por terras e mares até chegar a Campinas, depois de abandonar o emprego de telegrafista na Companhia Mogyana de Estrada sde Ferro. Uma aventura que o fez surgir na PUC, ainda na década de 40, na casa dos vinte anos, com a decisão de estudar. Jovem que nunca frequentara escola, trazia na bagagem, como prova única do conhecimento que adquirira sozinho, um pequeno livro que escrevera nas horas de solidão – Átomos D’Alma. Volume magrinho em que, todavia, transbordava o talento de um poeta brilhante. Ousado, foi esse o título de formação educacional que apresentou para o vestibular de ingresso no curso de letras anglo-germânicas da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Contudo, as exigências oficiais para a inscrição requeriam – como documento fundamental – certificado de conclusão de curso secundário. Um impasse que seria impossível transpor, não fosse a clarividência de um espírito nobre que ocupava, então, a reitoria da Universidade. Percebendo a potencialidade cultural do moço, Monsenhor Salim desdobrou-se junto aos poderes oficiais competentes até obter a autorização pretendida. Foi assim que Rosalvo Madeira Cardoso iniciou a vida universitária que se iria espraiar na amplitude da cultura, revelando uma das grandes figuras que pela PUCC passaram. De aluno virou professor. Ao longo do tempo, instalou um currículo tão extenso que não dá para transcrever todo nesta coluna. Direi apenas que, formado também em direito, traz uma carteira de atividades recheadas de honrosos títulos: – Professor no ensino oficial do estado, através de concurso público, simultaneamente, nas cadeiras de português, inglês e sociologia, além de chefe do Departamento de inglês da Fundação Getúlio Vargas. Exerceu na própria PUC vários cargos de professor titular (Sociologia Geral, Sociologia da Educação, Economia da Educação, Coordenador de Estudos de Problemas Brasileiros. Diretor da Faculdade de Comunicação). Um universo de conhecimento que rompeu fronteira, rendendo-lhe a outorga nos Estados Unidos do título de cidadão honorário de Nashville. Ocupa a cadeira nº 7 da Academia Campinense de Letras.

Em apertada síntese, esse é, senhores, o perfil do moço que caminhou mundo em busca de um sonho. E, na esteira da longa jornada, parodiando Paulo de Tarso, pode dizer serenamente que combateu o bom combate, pelejou a boa peleja, guardou a fé.

• Rubem Costa é escritor e membro da Academia Campinense de Letras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: