Jorge Frederico Baker

Publicado 11/12/2015 por lcs2308

Jorge  Frederico Baker, nasceu no Rio de Janeiro, no dia 22 de março de 1862. Era filho de João Jorge Baker e de? .

Desde cedo interessou-se muito por política.

Era republicano, também foi um abolicionista, tendo abraçado essa causa depois de ouvir alguém declamar o poema “Navio Negreiro”.  Jorge era admirador do almirante Custódio de Melo, o comandante da Marinha que havia forçado a renúncia do Marechal Deodoro da Fonseca em novembro de 1891. Quando Custódio se insurgiu contra o Marechal Floriano Peixoto em setembro de 1893, no que ficou conhecido como a Revolta da Armada, Jorge foi a um café do centro do Rio e fez tantas críticas a Floriano que acabou preso.

Quando Campos Salles assumiu a Presidência da República, em 1898, levou de Campinas para o Rio de Janeiro um auxiliar, o Dr. Paulo Sampaio Ferraz, bacharel e cafeicultor. Este se tornou amigo de Jorge Baker, a quem propôs que passasse de mero comissário de café na praça do Rio para o posto de vendedor direto desse produto em Londres, fretando para isso navios, explorando os mercados e voltando com as embarcações abarrotadas de produtos da Europa, a preços altamente lucrativos. Jorge Baker acatou a proposta do amigo, mas veio a arruinar-se financeiramente.

Ainda bem jovem, Jorge tornou-se membro da Igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro, fundada pelo Rev. Ashbel G. Simonton. Foi eleito diácono em 1887, no segundo pastorado do Rev. Antônio Bandeira Trajano, e ordenado presbítero em 1896, no pastorado do Rev. James Rodgers. Alguns anos antes, a igreja havia iniciado uma congregação em Niterói. Em 1891, o diácono Jorge Baker tornou-se o responsável por essa congregação e mudou-se para Niterói com a esposa Mary Ann Prescott (conhecida como Mariana ou Zila) e os filhos. Nos anos de prosperidade, ele teve uma torrefação de café perto do Largo do Rinque, no centro da cidade. Comprou então um grande terreno na Rua General Andrade Neves, que dividiu em dois.

De um lado construiu um palacete para a família; na outra parte, com a ajuda dos primeiros presbiterianos da cidade, edificou o templo. Ele não apenas doou o terreno, mas trabalhou ativamente na construção. A madeira para as vigas mestras veio de um enorme jequitibá que havia em seu sítio na Paciência.

Jorge era casado com a prima Mary Ann (Zila), seis anos mais velha do que ele. Tiveram três filhos e três filhas: Arthur, casado com Adalgisa; Horácio, casado com Margarida;  Jorge Jr.,  casado com Noêmia; Celina, casada com Deodoro; Georgina, casada com Joaquim e Emília, casada com Constâncio Omegna.

 

O presbítero Jorge Baker, faleceu no dia 11 de janeiro de 1949.

 FONTES

http://www.mackenzie.br/10200.html

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: